Conheça a PSICOTERAPIA TRANSPESSOAL, o TARÔ CONEXÃO COM A ESSÊNCIA e as VIVÊNCIAS ENERGÉTICAS (em grupo) por Adriano Rizk.

Acesse: www.psicoterapia-transpessoal.com


quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

AGORA EU ME DIVIRTO!



 

 
Com ternura, olho para o passado
Pernas bambeiam de emoção
Àquela mente, um frango assado
À alma, toda a minha devoção.

 
 
Eu queria tanto envelhecer
Que não percebia minha condição de palhaço
Precisei o nariz vermelho conhecer
Pra entender que muito adulto é feito de aço.

 
Com o tempo a família sofreu mudanças
Quem se foi permanece ainda mais presente
De essência são nutridas as lembranças
É chegada a hora de plantar nova semente.

 
 
Os que ficaram estão ainda mais despertos
Evolução é a palavra de ordem
A busca por crescimento os tornam espertos
Desvinculados de toda desordem.

 
Hoje moro sozinho em uma casa bem pequena
Desprovida de espaço para a solidão
Mas que dá alegria a uma vida simples e serena
Já meu coração, abriga a imensidão.

 
Sensibilidade, chegou sua vez
Por favor, sinta-se à vontade
Esqueça toda e qualquer timidez
Quero a mais profunda verdade.

 
 
Estendo um especial tapete vermelho
Logo, à porta, bate o amor pedindo licença
Diante de suas águas, vejo um espelho
Eis o MAR, novamente marcando presença.

 
 
Tudo fruto de um jardim bem cuidado
Anos e anos confiando nas flores como amuleto
Trabalho árduo e duro, todavia dedicado
A quem, para manter a rima, nomeio borboleto.

 

 
Adriano Rizk
31/01/2013

 
Obs.: Esse texto é uma resposta ao POR QUE NÃO ME DIVIRTO?, postado em: http://adrianorizk.blogspot.com.br/2012/09/por-que-nao-me-divirto.html

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

SALTO GEOMÉTRICO




Não acordando cedo
Ganha vazão o medo
Tudo parece escuro
Evidente, só o muro
Dois pés descalços
Diversos percalços
Pobre pensador
É o dono da dor.

Chegado o maremoto
Reconfigura-se a foto
Tragédia na lente
Máquina demente
Cenário de lamentações
Foco para as frustrações
Olhar limitado
Ontem imitado.

Botão desabrocha
Amolece a rocha
Perfuma ambiente
Ainda há semente
No ar, a doçura
Nada de usura
Com bondade infinita
A possibilidade saltita.


Adriano Rizk
28/01/2013