Conheça a PSICOTERAPIA TRANSPESSOAL, o TARÔ CONEXÃO COM A ESSÊNCIA e as VIVÊNCIAS ENERGÉTICAS (em grupo) por Adriano Rizk.

Acesse: www.psicoterapia-transpessoal.com


quarta-feira, 30 de novembro de 2011

ANCIÃ IDADE


Desnecessário é falar

Permaneço amarrado

Pela cabeça torturado

Experimento me calar


Contemplo a luz

De forte intensidade

Observo a ansiedade

Ela é que conduz


Desconheço caminho certo

Posso aprender

E surpreender

Só preciso de peito aberto


terça-feira, 29 de novembro de 2011

LÁGRIMAS AO MOLHO


Do céu caem verdadeiras lágrimas
Enquanto seco permanece o olho
A natureza desconhece as lástimas
E o homem as mantém de molho


segunda-feira, 28 de novembro de 2011

domingo, 27 de novembro de 2011

O AMANHÃ


Cultivar a mesmice

Apegar-se a crendice

E ao que o outro disse

Gera uma triste velhice

sábado, 26 de novembro de 2011

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

INFANTE

Para o infante

Coisa séria é brincar

Estimulante

É tesouro procurar

Importante

É não se preocupar



quarta-feira, 23 de novembro de 2011

RELENTO

Não importa sol ou chuva

Hoje vou dormir ao relento

Embaixo de um pé de uva

Mas mantendo-me atento


terça-feira, 22 de novembro de 2011

MENTE VAZIA


Muitos dizem que vazio induz

Ao medo, à tristeza, à solidão

Mente sobrecarregada produz

Coragem, alegria, comunhão?



segunda-feira, 21 de novembro de 2011

PAPELHAÇO


Fazer rir a todo custo

Chega a causar susto

E ainda contribui efetivamente

Para uma alienação inconsciente

É triste seguir modelo maciço

Palhaço não é sinônimo disso

O humor é um verdadeiro dom

Inteligência é mais do que bom

Reproduzir é permanecer refém

Sempre é possível ir mais além

O artista tem o poder de tocar

Por que não fazer pensar?

Despertar o campo de visão

Pode trazer transformação



domingo, 20 de novembro de 2011

OPERAÇÕES DA VIDA


Os problemas subtraio

Veloz como raio

O sorriso multiplico

E tudo simplifico

Bons momentos eu divido

Sou homem vivido

Quero mesmo é acrescentar

Ninguém pode me calar



sexta-feira, 18 de novembro de 2011

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

MINISTÉRIO DA COISA PÚBLICA


Excelentíssima presidenta da república
Propõe-se nova pasta para a coisa pública

Coelho, dono do maior motel da cidade
Responderá pelo Controle de Natalidade
Castro, veterinário de mão assertiva
Cuidará da medicina preventiva
Souza Cruz, empresário de bom coração
Controlará mortalidade com a melhor intenção

Trata-se do Ministério do Nascimento
Chefiado por Pinto, cabeça do momento.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

SANDUÍCHE DE REPETIÇÕES


Minha língua sofre lesão por esforços repetitivos

O doutor logo receitou: mude de assunto

Até aprecio degustar refinados aperitivos

Mas não fico sem meu sanduíche de presunto


segunda-feira, 14 de novembro de 2011

MAIS UMA SEGUNDA-FEIRA

Como é bom acordar

Com vontade de cantar

Em plena segunda-feira

O primeiro dia da bobeira

Não, não sou vagabundo

Procuro sentido pro mundo


domingo, 13 de novembro de 2011

RISCO DE RIR


Hoje é dia de arriscar

Simplesmente experimentar

E não falemos em perfeição

Pois gera depressão

Uma teoria para fazer rir?

Não, apenas me divertir


sábado, 12 de novembro de 2011

AH, MAR!!!


Como chegar ao mar?

Mapas me confundem

GPS não funciona

Por que o medo de errar?

Os caminhos se fundem

Tudo se relaciona

Mas eu só quero...

Ah, mar!!!


sexta-feira, 11 de novembro de 2011

N-O-R-M-A-L



MARLON é normal

MORNAL é normal

RAMON é normal

NORMA é normal

ROMA é normal

AMOR é normal

NO MAR é normal

NO MAL é normal

NORMAL é normal?



quinta-feira, 10 de novembro de 2011

CAMINHO DE SENSAÇÕES


Não me abala o buraco no meio do caminho

Simplesmente pulo o obstáculo

E deixo para trás mais uma experiência

Talvez um verdadeiro abismo de emoções



Nem óculos me permitem ler o pergaminho

Bobagem é recorrer ao oráculo

Ainda posso despertar a consciência

E abrir os olhos para novas sensações


quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Curta vida

Dizem que a vida é curta
Para muitos: um monólogo que nunca muda
Por isso, tanta gente surta
Desconhece que pode se tornar um buda
Impiedoso, o tempo lhe furta
De hoje em diante só trabalho de bermuda.